Exposição realizada com curadoria de Mamé Shimabukuro sobre o trabalho de identidade visual e cenografia do carnaval pernambucano desenvolvidos ao longo de 10 anos. A mostra ocorreu de janeiro a março de 2018, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.

“Trazer a mostra para dentro de uma instituição, foi enveredar a magia da festa do carnaval pernambucano a ponto de inflamar territórios humanos à reflexão da miscigenação brasileira.” Mamé Shimabukuro

Fotos: Everton Ballardin







Vídeo produzido pela Chromatik Filmes

Entrada

Sala Pertencimento
Um certo estado de memória: fragmentos e dispositivos para pisar o começo deste percurso. Trata-se de reconhecer as profundezas, as raízes de tantas tradições, cruzar identidades e buscar significados nas grafias deste universo.

Vídeo Pertencimento

Máscaras, identidade visual do Carnaval Multicultural do Recife

Sala Manifestação
Durante o carnaval, o corpo deixa a pessoa para viver o personagem, ou vice-versa? O convite é para misturar-se no brilho e na multidão, sentir vibrar toda a magia; recriar-se, agitar-se.

Sala Transcendência
Para conquistar a escala das ruas, as figuras viram estruturas de dimensões monumentais. Transcender no carnaval significa encontrar um estado daquele que transporta o bem, mas um bem que existe dentro do próprio ser, num equilíbrio maravilhoso entre o indivíduo e o mundo exterior.

Monumentais

Mural dos Personagens

Mulher Sequerência e Mulheres Fragmentadas

Mural Mulheres Fragmentadas

Ficha técnica:
Idealização: Joana Lira e Mamé Shimabukuro
Curadoria e Direção Artística: Mamé Shimabukuro
Produção executiva: Veridiana Aleixo
Projeto expográfico: William Zarella
Construção e montagem: Elástica SP Cenografia
Iluminação: Marcos Cicerone
Consultoria, produção de artemídia e animação personagens: Estúdio Laborg
Comunicação visual: Elisa von Randow e Julia Masagão
Direção musical: Maurício Badé