Joana Lira

A vivacidade da cultura popular brasileira inspira a produção multifacetada da artista e designer Joana Lira. Tendo por base primordial o desenho, sua pesquisa iconográfica desagua em uma miríade de objetos, utensílios, estampas, ilustrações, esculturas e cenografias urbanas. Independentemente de forma e escala, eles carregam o desejo de proporcionar experiências transformadoras, evocando uma identidade cultural relacionada a sensações de afeto e pertencimento. “O poder do trabalho artístico de transformar o outro é o que me move”, resume.

Forjada no trânsito livre entre design e artes visuais, sua linguagem deriva do convívio intenso com a arte e a expressão cultural proporcionado pelos pais, arquitetos, e pela ambiência do Recife, onde nasceu e cresceu. Formada em design gráfico em 1997, trabalhou de 2001 a 2011 na criação da cenografia do Carnaval da cidade, experiência formadora que deu escala e consistência a seu trabalho e está sintetizada no livro Outros carnavais (2008).

A partir de 1999, radica-se em São Paulo e pesquisa suportes diversos, da cerâmica ao meio digital, em projetos artísticos alimentados por referências que vêm tanto da história da arte e da cultura pernambucana quanto de seus interesses cotidianos. Desenvolve ainda, a convite de grandes empresas, identidades visuais, linhas de objetos e estampas assinadas, entre outros projetos, sempre buscando um design do envolvimento, capaz de agregar valor cultural, histórico e sentimental à forma e à utilidade.

Seus trabalhos foram vistos em exposições individuais, como Quando a vida é uma euforia, com curadoria de Mamé Shimabukuro (Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, 2018), Quando tudo explode, com curadoria do Diego Matos (Sesc Santo André, 2017) e Bichos Aloprados (Recife, 1997). Também estiveram em coletivas referenciais como Design Brasileiro Hoje: Fronteiras (MAM-SP, 2010) e Design para Todos (5ª Bienal Brasileira de Design, Florianópolis, 2015) e mostras sobre design brasileiro e ibero-americano na Alemanha, China, Bélgica e Espanha. Foi premiada com o ABRE, da Associação Brasileira de Embalagem (2016), pela 11ª Bienal Brasileira de Design Gráfico (2015) e com o Pearl Award do The Content Council, entidade norte-americana voltada a conteúdos customizados (2009).

Vive e trabalha em São Paulo.